13/09/2017

Venice? Very nice? Ou sonho para poucos no Brasil?

Na foto: Quatro unidades da nova Sony CineAlta Venice com várias opções de montagem de lentes. Fonte: http://pro.sony.com/bbsc/ssr/show-highend/resource.solutions.bbsccms-assets-show-highend-Venice.shtml
A Sony Broadcast anunciou essa semana a nova câmera da linha CineAlta, mais voltada para cinema e produção de comerciais e documentários hi-end. Integrará a linha onde já existem os modelo PMWF5 e F55. Segundo a fabricante, os acessórios dessas duas anteriores servirão na nova Venice. O preço público anunciado ficará em torno de US$ 35.000,00. Sendo que agora no lançamento a Venice ainda não capta em 6K. A Sony é bastante curiosa nesses lançamentos. Pois todo o marketing é voltado para a nova "experiencia em captar vídeo de alta definição, sem compactação em 6K, porém, o Firmware que "destravará" essa funcionalidade só estará disponível gratuitamente em setembro de 2018.

Sony Venice: por US$ 35 mil dólares o comprador recebe apenas isso. O corpo. fopnte da imagem: site da Sony Broadcast/USA.
Pelos pre releases que tive acesso, a Sony não informa claramente se, agora no lançamento, a possibilidade de captar em 6K já estaria liberada, desde que o comprador pagasse uma taxa adicional pelo Firmware necessário. Uns falam que ele estará disponível já para compra ou locação mensal. Aliás essa estratégia tem sido usada por outros fabricantes de equipamentos e programas. Lança-se uma versão capada e mais barata e vende-se como opcional diversos patchs ou chaves, para liberar funcionalidades premium.

De qualquer maneira, fora a possibilidade de captação em 6K e um novo sensor fullframe com resolução máxima de 6048 x 4032 e diversos modos de tamanho de frame, o restante é o normal para um tipo de equipamento desses. O preço anunciado se alinha ao da F55 em cerca de US$ 35 mil dólares. Mas nesse tipo de câmera, deve ser levado em conta todo o ecosistema necessário para que ela seja utilizável. Esse tipo de equipamento vem sem nenhum acessório a que estamos acostumados a receber nos modelos mais baratos, como as handycam da marca.
Para ser usável, ao corpo da Venice ou outras como a F55 diversos acessórios tem que ser comprados ou alugados separadamente. 
O comprador, mesmo pagando esse preço alto, recebe apenas a câmera. Nada de baterias, carregador de baterias, cabos, viewfinder e logicamente lentes. Com a opção de bocais PL, Sony E-mount e Canon EF, o comprador tem a opção de usar seus jogos de lentes existentes. Mas caso não as tenha, deverá gastar uma bela fortuna para adquirir um kit básico de lentes de qualidade compatível com a câmera. Levando tudo isso em conta, e tomando como base de preços os valores anunciados no site da empresa, para deixar a nova Venice totalmente funcional e pronta para uso, caso o comprador não possua nenhum acessório como os usados na linha F5 ou F55, vai gastar mais com eles que o próprio preço da câmera. Vejamos a tabela abaixo:


Acessórios básicos
Qt
Vlr unit US$
US$
R$
Jogo lentes PL SCLPK6/F
1
17795,00
17795,00

Viewfinder OLED DVFEL100
1
5800,00
5800,00

Bateria 75w BPFL75
2
620,00
1240,00

Carregador baterias BCL90
1
985,00
985,00

Suporte ombro VCTFSA5
1
1050,00
1050,00

Cartão memória AXSA1TS48
2
4950,00
9900,00

Gravador Externo 4K AXSR7
1
7760,00
7760.00

Monitor ref. 7”DVFL700
1
5000,00
5000,00

Totais
43960,00
140.672,00

Somados os valores dos acessórios e da câmera em si (US$35.000,00) chegamos a um valor total de US$ 79 mil dólares. Sem contar cabos e outros acessórios mais baratos. Isso representa em Reais um valor aproximado de R$ 250 mil reais! Sem contar as despesas com frete e impostos. Mesmo com a recente medida de desoneração alfandegária para produtos desse tipo, os revendedores oficiais no Brasil terão que colocar pelo menos o ICMS e outros tributos municipais. E essa aquisição pode passar da barreira dos R$ 300 mil reais. 
Todos esses acessórios essenciais para a Venice funcionar minimamente devem ser adquiridos à parte. Bem diferente das Handycams, onde dentro da caixa já vem quase tudo, inclusive pelo menos uma lente. 
Sem dúvida, apesar de ser um equipamento de altíssima qualidade de imagem e muitos recursos, torna-se um sonho incansável para a realidade da maioria das produtoras brasileiras, de pequeno e médio porte. Essa inviabilidade se traduz, mesmo com as isenções tributárias anunciadas recentemente, para produtos de tecnologia que não sejam fabricados no Brasil, pela disparidade entre o poder de compra do Real perante outras moedas estrangeiras. E pela realidade dos preços infames (quase prostituídos), com que os contratantes de materiais audiovisuais querem nos remunerar, fica difícil investir em equipamentos desse porte. 

Aliás pra terminar esse artigo, vou bater na mesma tecla: o mercado de video produção no Brasil só vai crescer quando separarmos as funções. Produtora produz. Com pequena parte de equipamentos próprios e o restante locado. Como nos EUA e na Europa, precisamos criar aqui o mercado das rental houses, empresas auxiliares às produtoras que trabalham apenas locando ou mesmo vendendo equipamentos novos e usados. Aí sim, elas podem investir pesado na compra de câmeras e lentes caras, pois elas terão saída diária locadas pelas produtoras. Equipamento de vídeo, fora lentes e iluminação, tem tempo de vida útil, não apenas pelo desgaste, mas pela obsolescência. 

Grande abraço! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por sua participação! Asim que eu puder, vou responder! Volte sempre!

Marcelo Ruiz